08002825480

Mulheres empreendedoras: 11 histórias inspiradoras

Ler depois

Mulheres empreendedoras: 11 histórias inspiradoras

Ler depois

De Ada Lovelace a Cleusa Maria da Silva, saiba quem são as mulheres que fizeram – e ainda fazem – história como empreendedoras e pioneiras. Busque inspiração em seus cases com a certeza de que você também irá muito longe. 

O mundo dos negócios está cheio de mulheres empreendedoras que, mais do que transformar a própria vida, também ajudam a revolucionar a de outras pessoas e mudar o mundo, seja contribuindo para a ciência, oferecendo oportunidades de aprendizado, gerando emprego ou disseminando conhecimento – ou tudo isso ao mesmo tempo.

Exemplos de histórias inspiradoras não faltam e cada uma delas guarda um aprendizado riquíssimo para quem está começando ou se preparando para dar início a sua trajetória de empreendedorismo, independentemente das dificuldades e dos desafios que apareçam pelo caminho.

Para ajudá-la a se inspirar, conheça a história de 11 mulheres que atuam em diferentes áreas: da faxineira que ajuda no empoderamento de trabalhadoras domésticas à jornalista que oferece aulas de programação para jovens mulheres. Vamos lá!

1. Veronica Oliveira – Faxina Boa

A criatividade é talvez o ingrediente mais transformador do empreendedorismo. E foi com um humor bem criativo que Veronica Oliveira transformou sua realidade. Ela ficou desempregada em 2015, após a empresa em que trabalhava falir. Com dificuldades para pagar o aluguel e cuidar dos filhos, Veronica começou a fazer faxina para os amigos.

Como precisava de mais clientes, divulgou seu novo ofício nas redes sociais. O primeiro anúncio, “Better Call Veronica”, foi inspirado em um de seus seriados favoritos e conquistou mais de 10 mil likes.

De repente, Veronica passou “a trabalhar a rodo”, como ela mesma diz. Hoje, além de ser faxineira, também dá palestras divulgando o projeto Faxina Boa, que dá visibilidade e voz para trabalhadoras domésticas.

2. Maria José de Lima Freitas – Mazé Doces

Não há quem visite Carmópolis de Minas e não experimente as delícias da Mazé Doces. São mais de 200 produtos, entre frutas cristalizadas e compotas, feitos em uma fábrica com 25 funcionários capitaneados pela empresária Maria José de Lima Freitas, a Mazé.

A empresa produz mais de uma centena de toneladas ao ano e fatura R$ 1 milhão. No entanto, o início dessa história não foi tão confeitada assim. Mazé cuidava da limpeza de uma agência bancária e em 1999, ao voltar da licença maternidade de seu segundo filho, foi demitida.

Após procurar muito por emprego, decidiu fazer doces para vender nas ruas. Com o lucro do primeiro tacho, deu início ao negócio e, após muita dedicação, conquistou o paladar dos clientes, fazendo de sua loja ponto turístico da cidade.

3. Luiza Helena Trajano – Magazine Luiza

Muito do pioneirismo do Magazine Luiza vem da Luiza Helena Trajano, que conseguiu transformar uma empresa familiar em uma corporação referência em seu segmento.

A empresária começou sua história na empresa aos 12 anos, trabalhando como balconista nas férias. Após atuar em diversos setores e se formar em Direito, em 1991, Luiza assumiu o comando da empresa e iniciou uma série de inovações fundamentais para a expansão da marca.

Foi Luiza também quem vislumbrou o cenário das vendas a distância, investindo em 1992 em um modelo de lojas eletrônicas por meio de terminais. Hoje, o Magazine Luiza é um dos maiores representantes do e-commerce nacional.

4. Cleusa Maria da Silva – Sodiê Doces

Por maiores que sejam as dificuldades, acreditar no potencial do seu negócio é fundamental. Foi assim com a Cleusa Maria da Silva, criadora da franquia Sodiê Doces. A empresária começou a trabalhar aos 9 anos como cortadora de cana no Paraná.

Em busca de uma vida melhor, foi para São Paulo, onde foi empregada doméstica e recepcionista. Para complementar a renda, fazia bolos à noite em casa. O sucesso de seus doces foi tão grande que um de seus clientes se interessou pelo negócio e propôs abrir uma franquia.

Curiosa e sempre acreditando em suas receitas, foi atrás de informação e hoje é dona de uma franquia com mais de 230 unidades espalhadas pelo país.

5. Ana Luisa Correard – Mana

Quem acha que serviços de manutenção doméstica não é coisa de mulher precisa conhecer a Ana Luisa Correard. Ela é a fundadora da Mana, empresa voltada para o público feminino que conta com equipes de profissionais mulheres que fazem todo tipo de manutenção residencial.

A ideia surgiu em 2015 do receio que a própria Ana sentia de receber homens estranhos em casa. Após reunir sua experiência e equipamentos que tinha em casa, ela divulgou seus serviços no Facebook e percebeu uma oportunidade única, já que outras mulheres também tinham medo do possível assédio de prestadores de serviço.

Para organizar seu negócio, Ana contou com a ajuda da Rede Mulher Empreendedora.

6. Anielle Guedes – Urban 3D

Se você não começou seu negócio por que acha que tem pouca experiência, saiba que empreendedorismo não tem idade. A prova disso é a Anielle Guedes que, com 23 anos fundou a Urban 3D, uma startup que desenvolve materiais e tecnologias para tornar a construção de casas mais rápida e barata.

Por meio da Urban 3D, ela tem o sonho de solucionar a falta de moradia, utilizando tecnologias como robótica, impressão 3D e softwares de gestão. Mais do que empreender, Anielle quer fazer uma verdadeira revolução na construção civil.

7. Linda Liukas – Programadora

Linda Liukas sempre foi uma entusiasta da programação. Tanto que, aos 13 anos, começou a criar sites. Sabendo desde cedo as dificuldades ao aprender a programar, ela escreveu o livro “Hello Ruby”, com histórias para ensinar o básico da programação a crianças.

Para lançá-lo, criou uma campanha no Kickstarter para juntar US$ 10.000. Faltando 29 dias para encerrar a campanha, ela já havia arrecadado US$ 32.000. Nascia aí a Liukas empreendedora. A programadora é também cofundadora do Rails Girls, projeto que ajuda mulheres a aprender a programação básica.

8. Buh D’Angelo – Infopreta

Ela é formada em Eletrônica, Automação Industrial, Manutenção, Tecnologia da Informação e Robótica. Muita coisa para quem tem só 22 anos, não? Buh D’Angelo realmente não tem tempo a perder e deu início à sua formação profissional aos 16 anos.

E o mais bacana é que ela pega todo esse conhecimento e transforma em ações positivas para diminuir desigualdades sociais e digitais. Uma das iniciativas da Buh é a Infopreta, que conserta computadores de mulheres das comunidades a preços acessíveis.

9. Elisa Frota-Pessoa – Física

Elisa Frota-Pessoa faz parte do grupo de pioneiros da Física no Brasil. Formou-se pela USP em 1942, sendo a segunda mulher a graduar-se no curso no país. Ela desenvolveu sua carreira em física experimental e lutou para vencer o preconceito contra a participação de mulheres no mercado.

Também contribuiu com a técnica de emulsões nucleares no Brasil e aplicou-a em vários campos, como física nuclear, biologia e partículas elementares. Em 1949 foi uma das fundadoras do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF). Conheça outras brasileiras pioneiras da ciência no site do CNPq.

10. Camila Achutti – Mastertech

Camila Achutti é fundadora da consultoria em inovação Ponte 21 e da plataforma de educação em tecnologia Mastertech, uma das startups brasileiras de alto impacto criada por mulheres. Aos 25 anos, ela é referência não só no mercado de tecnologia, mas também em ações de empoderamento de meninas que querem atuar na área.

Além de disseminar informações sobre o mercado no blog Mulheres na Computação, Camila criou o projeto Technovation, que desafia alunas do ensino médio a desenvolver um aplicativo de celular que resolva problemas em suas comunidades.

11. Iana Chan – PrograMaria

Iana Chan é mais do que uma empreendedora. Ela ajuda e inspira muitas jovens a se aventurarem pelo mundo da tecnologia. Após questionar-se “por que existem tão poucas mulheres na área?”, ela e outras profissionais fundaram o PrograMaria, iniciativa que oferece aulas de introdução à programação ministrada por e para mulheres.

O projeto também promove debates, por meio da produção de conteúdo e participação em eventos, e inspira profissionais, apresentando casos de mulheres na computação. Conheça mais iniciativas como essa no Mulheres na Tecnologia.

Esses são apenas alguns poucos exemplos de mulheres que se destacaram em diversas áreas e segmentos. E não duvide: você também pode chegar lá! Use sua criatividade, suas qualidades, garra e determinação – que você já tem de sobra -, use-os a seu favor e vá em frente!

Agora que você já conhece um pouquinho da trajetória incrível dessas mulheres empreendedoras, compartilhe esse post nas suas redes sociais. Com certeza, outras pessoas também vão se inspirar com essas histórias.

Leia Também