08002825480

Guia completo de como montar um bar!

Ler depois

Guia completo de como montar um bar!

Ler depois

Afinal, como montar um bar? Ter um negócio próprio é o sonho de muitos brasileiros. Ganhar dinheiro, então, em um ambiente cujas principais características são o lazer e a diversão significa unir o útil ao agradável. Entretanto, muito além do divertimento puro que pode ser associado a essa ideia, administrar um bar de sucesso exige muito trabalho, conhecimentos específicos e criatividade.

Neste post, você vai entender como está o mercado, quais são os estilos de bar, que tipos de produtos podem ser vendidos, como escolher bons funcionários, quais são as exigências legais e quanto é o investimento necessário para abrir o seu estabelecimento. Preparado? Boa leitura!

Como é o mercado de bares atualmente?

De acordo com dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o setor apresenta boas oportunidades para quem deseja empreender — mesmo com a crise que prejudicou o desempenho da economia brasileira em 2015 e 1016.

Atualmente, o segmento alimentício atinge 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e representa por volta de 31% dos gastos da população. Ainda segundo números da Abrasel, mais de 6 milhões de pessoas são empregadas por cerca de 1 milhão de bares e restaurantes espalhados por todo país.

Cultura brasileira

Os animadores números do setor podem ser explicados pela cultura brasileira. Ao longo da história, os bares têm sido os locais preferidos para abrigar a vida noturna no Brasil. Redutos boêmios são desenvolvidos em pequenas, médias e grandes cidades, onde música e culinária se juntam para formar áreas de lazer.

Embora os indicadores macroeconômicos sejam um incentivo para quem deseja investir nesse segmento, é preciso estudar a realidade local antes de seguir com o empreendimento.

Cabe ao empreendedor fazer uma análise completa dos bairros, das ruas e dos perfis de consumidores para tomar as decisões estratégicas sobre o posicionamento, o cardápio, as atrações culturais e os demais fatores para atrair clientes e garantir o sucesso do bar.

Qual vai ser o estilo do seu bar e que produtos serão vendidos?

Pub inglês, bar dançante, boteco. São vários estilos que podem ser focados nos mais diversos segmentos de público. Entenda agora o que você precisa considerar na hora de decidir sobre o formato do estabelecimento e sobre quais produtos serão vendidos.

O público

Antes de definir o estilo do bar e as mercadorias que serão disponibilizadas, é preciso delimitar o público-alvo que o empreendimento quer atingir. A construção desse perfil será a base para todas as decisões estratégicas.

Por exemplo: se você deseja atrair clientes que gostam de ver eventos esportivos, será necessário investir em boas televisões e em um sistema de TV a cabo. Atrações musicais, nesse caso, não serão o seu foco.

Por outro lado, se o objetivo do empreendimento é funcionar como um pub inglês, as prioridades são outras. É importante, por exemplo, ter um espaço para que as pessoas fiquem em pé para curtir uma boa música ao vivo.

Portanto, o primeiro passo é desenvolver uma análise de mercado a fim de compreender o perfil de consumidor ideal para o seu bar. A partir disso, você estará pronto para determinar o estilo, a localização, o cardápio e as atrações do seu empreendimento.

O estilo do bar

Antes de definir o formato do seu bar, conheça as principais opções:

  • Boteco — ideal para happy hours com cerveja e tira-gosto. Os consumidores ficam sentados em mesas pequenas, que podem ser reunidas quando há um grupo grande. Televisores para assistir eventos esportivos fazem parte da decoração;
  • Americano — propõe um ambiente confortável e aconchegante. O público costuma buscar essa opção para apreciar a culinária e os drinks;
  • Bar dançante — funciona de forma parecida a de uma casa noturna. Bandas e DJs se apresentam para um público que deseja dançar e se divertir. Geralmente é cobrado ingresso para entrar;
  • Pub — inspirados nos clássicos estabelecimentos ingleses, os pubs devem oferecer um cardápio variado de cervejas, destilados e petiscos;
  • Espetinho bar — especializado na venda de espetinhos de carne, frango, porco e opções similares.

A temática do bar

O estilo do bar pode ser aliado à escolha de uma temática própria. Por exemplo: um estabelecimento em formato de pub pode realizar a “Quinta do Rock” e a “Sexta do Jazz”. Ou seja, é possível definir um tema para atrair certo segmento de público.

Essa segmentação pode ocorrer em dias determinados ou ser o posicionamento habitual do bar. Nesses casos, além de uma atração musical, vale investir na decoração especial e em itens de cardápio que tenham relação com a delimitação proposta.

O cardápio do bar

Afinal, o que vender em um bar? A composição do menu precisa ser definida a partir do estilo e da temática, como vimos nos tópicos anteriores. É importante estudar quais são os itens que vão gerar mais ganhos financeiros para o empreendimento.

A comida representa cerca de 70% da lucratividade de um bar. O preço de produção é baixo quando comparado ao preço de venda. Dessa forma, dê uma atenção especial às opções de alimentação na hora de montar o cardápio.

Por outro lado, as bebidas — embora sejam o principal atrativo local —, são responsáveis, em média, pelos outros 30% do lucro.

Confira alguns dos principais itens de cardápio de bares:

  • Tábua de frios;
  • Porções fritas (batata, polenta, aipim);
  • Bolinhos (queijo, camarão, carne);
  • Hambúrguer;
  • Pastel (diversos sabores);
  • Iscas (carne, frango, peixe);
  • Refeições simples.

Qual será a localização do seu bar?

A escolha do ponto comercial é um dos fatores decisivos para o sucesso ou o fracasso ao montar um bar. Centro da cidade, bairros boêmios, shopping centers e galerias são algumas das possibilidades a serem analisadas.

Nessa etapa, é fundamental compreender de onde vem e qual é o comportamento do seu cliente. Se o bar for voltado para happy hours, por exemplo, ele deve estar próximo a centros comerciais, em áreas de alta circulação de pessoas.

A seguir, entenda os principais fatores que devem ser levados em consideração para escolher a melhor localização para o seu bar.

Fluxo de pessoas

Dificilmente um bar afastado conseguirá cativar uma clientela fiel a ponto de mantê-lo lucrativo. Assim, avalie o fluxo de pessoas que transitam pelo local. Áreas que concentram outros estabelecimentos de mesmo perfil são ótimas opções.

Comodidade

Disponibilizar um local para estacionar o carro é um item de comodidade importante nos dias de hoje. Se o bar não oferece uma área própria para esse fim, analise o entorno da região.

Estacionamentos privados, embora geralmente cobrem um alto valor, costumam ser utilizados por clientes que têm maior poder aquisitivo. Caso esse não seja o público do seu estabelecimento, verifique se há ruas próximas nas quais seja permitido deixar o veículo.

Segurança

A insegurança é uma das características mais presentes em médias e grandes cidades do Brasil. Essa questão não pode ficar de fora na hora de avaliar o local que abrigará o seu estabelecimento.

Opte, portanto, por ruas iluminadas e com um histórico baixo de crimes. Avalie também a possibilidade de contratar uma equipe de segurança privada para cuidar da área de entrada do bar.

Custo

O valor de aluguel do imóvel precisa estar em conformidade com o volume de clientes e o faturamento do bar. O indicado é que o preço investido na locação fique em torno de 8% a 11% do faturamento bruto do estabelecimento. Dessa forma, o lucro não fica comprometido e há uma boa margem para administrar os demais custos operacionais.

De que equipamentos básicos você precisa para montar um bar?

A escolha dos equipamentos é outra questão importante na fase de concepção do estabelecimento. Embora o estilo e o público-alvo influenciem a escolha desses itens, a maior parte deles é básica e, portanto, precisa fazer parte do seu planejamento.

Uma dica importante: se você tiver dinheiro para investir, uma ótima opção é contratar um escritório de arquitetura para desenvolver o projeto de decoração do estabelecimento. O apoio profissional agrega criatividade e contribui com soluções para o melhor aproveitamento do espaço.

Área dos clientes

Estes são os materiais que devem estar presentes na área destinada ao atendimento dos clientes:

  • Cadeiras;
  • Mesas;
  • Ar-condicionado (não esqueça de levar em consideração o tamanho do ambiente);
  • Toalhas;
  • Computador;
  • Sistema de gerenciamento;
  • Impressora;
  • Celular/linha telefônica;
  • Máquinas de cartão;
  • Sistema de sonorização para o ambiente;
  • Televisores;
  • Sistema de TV a cabo;
  • Armários e prateleiras.

Itens de cozinha

Confira também os elementos indispensáveis para a cozinha:

  • Copos (cerveja, whisky, vinho, espumante);
  • Pratos, garfos, facas e colheres (para diferentes tipos de refeição);
  • Porta-talheres;
  • Xícaras de café e chá;
  • Freezer, balcão frigorífico, geladeiras;
  • Fogão industrial;
  • Exaustor;
  • Micro-ondas;
  • Fritadeira;
  • Liquidificador;
  • Guardanapos;
  • Dosadora;
  • Coqueteleira;
  • Panelas diversas;
  • Processador de alimentos;
  • Batedeira;
  • Máquina de gelo;
  • Lixeiras.

De que outros itens a infraestrutura do seu bar precisa?

Além dos itens básicos de mobiliário e de equipamentos, o bar precisa de uma infraestrutura que ofereça comodidade ao cliente, tais como sinal de Wi-Fi, TV a cabo e linha telefônica.

Internet Wi-Fi

Há quem argumente que, no futuro, o sinal de Wi-Fi será tão comum como a energia elétrica é hoje; ou seja, não precisaremos perguntar se existe rede disponível no local. Assim, é altamente recomendado que você disponibilize internet aos seus consumidores, independentemente do posicionamento que você deseja aplicar ao seu bar.

Seja para happy hours, para reuniões fora do escritório ou para ouvir uma boa música, estar conectado se tornou condição básica para muitas pessoas. Você pode aliar essa comodidade a estratégias de divulgação do empreendimento nas redes sociais, incentivando a publicação de fotos e de check-ins, por exemplo.

TV a cabo

Investir em um sistema de TV a cabo é de extrema importância se você planeja realizar transmissões esportivas no seu bar. Em tempos de campeonatos de futebol e outros esportes populares, essa recomendação ganha ainda mais relevância.

Esses eventos são um chamariz de público e, a menos que você deseje posicionar o estabelecimento com uma proposta totalmente diferente, não vale a pena ignorá-los. A ampla gama de canais disponibilizados também permite sintonizar em shows ou em outras atrações para entreter os consumidores.

Telefonia

Uma linha telefônica e um smartphone são ferramentas que contribuem para aprimorar o relacionamento entre o bar e os clientes. Atualmente, o WhatsApp Business figura entre os principais meios de comunicação destinados a essa finalidade.

Você pode ir além e permitir que os clientes solicitem a reserva de mesas. Outra opção é elaborar um cadastro e informar promoções e novidades do estabelecimento — sempre com o consentimento do cliente.

Como formar uma boa equipe ao montar seu bar?

Fidelizar a clientela do bar depende, entre outras coisas, de um bom serviço de atendimento. Dessa forma, além de investir em bons itens de cardápio e na comodidade que o local oferece, é dever do empreendedor selecionar e treinar uma boa equipe de funcionários. De maneira geral, a equipe de apoio deve ser formada por profissionais que exerçam as seguintes funções:

  • Caixa (indicado que seja o proprietário ou um dos sócios);
  • Chefe da cozinha;
  • Auxiliar de cozinha;
  • Barman;
  • Garçons;
  • Auxiliar de limpeza.

O número de funcionários que ocupará cada uma das atividades vai variar conforme o fluxo de clientes e o tamanho do empreendimento. Em bares que crescem a ponto de ter mais uma filial, por exemplo, é importante ter a figura de um gerente para auxiliar na administração da rotina operacional.

O processo seletivo

A força de trabalho será responsável por promover o sucesso do seu empreendimento. Assim, dê muita atenção para o processo de seleção dos funcionários. Faça uma entrevista individual com cada candidato a fim de identificar o perfil que mais se encaixa ao formato que você deseja dar para o seu bar.

Lembre-se de que os garçons lidam diretamente com os consumidores e, portanto, são responsáveis por influenciar, significativamente, a imagem que o público terá do seu estabelecimento. Características como cordialidade e capacidade de resolução de problemas são fundamentais para o cargo.

Ao analisar os currículos, avalie a formação e a experiência dos candidatos. Referências de antigos empregos podem ajudar a identificar um bom profissional.

O treinamento

Desenvolver um processo de capacitação contínua para a equipe de funcionários pode criar um diferencial importante para o seu bar. Esse treinamento não deve ficar restrito às primeiras semanas de trabalho.

É possível desenvolver atividades internas de aperfeiçoamento. Nessas ocasiões, você mesmo é o responsável por exercitar as práticas que deseja ver no seu time de colaboradores.

Também é recomendado oferecer cursos e capacitações externas. Essas oportunidades são excelentes para aprimorar o conhecimento e aumentar a motivação da equipe.

Não esqueça o seu próprio treinamento; evoluir na gestão do empreendimento é fundamental para a boa condução do negócio. Administração, marketing, liderança e relacionamento, por exemplo, são áreas que precisam ser dominadas por você.

Assessorias

Além das equipes de cozinha, atendimento e limpeza, um bar pode contratar assessorias terceirizadas para desenvolver serviços específicos.

Uma agência de publicidade, por exemplo, pode realizar o trabalho de desenvolvimento de identidade visual e elaborar ações de marketing e relacionamento. No mesmo sentido, contar com o apoio de escritórios de advocacia e de contabilidade é fundamental para solucionar impasses trabalhistas e tributários.

Quais são as exigências legais para abrir um bar?

Legalizar o empreendimento de acordo com as exigências dos órgãos responsáveis é outra etapa importante para a abertura de um bar. Muitas vezes, a burocracia brasileira pode ser desmotivadora e uma barreira para quem deseja empreender. Mas não se deixe abater! Entenda os caminhos possíveis para regularizar a empresa.

Forma jurídica

O primeiro passo é definir a forma jurídica da empresa. Abrir uma empresa MEI (Microempreendedor Individual) é a opção menos burocrática prevista pela legislação do Brasil atualmente. Vale lembrar que esse modelo limita o faturamento do negócio em R$ 81 mil ao ano e permite a contratação de apenas um funcionário.

Caso você tenha parceiros de negócio, é possível abrir uma empresa limitada. Esse modelo é bastante comum no país e delimita a participação de cada sócio em quotas de capital social.

Se você está empreendendo sozinho, uma boa opção pode ser abrir uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, mais conhecida como Eireli. Esse formato protege os bens pessoais do empresário em caso de falência, uma vez que restringe a responsabilidade ao capital social constituído.

Após decidir a forma jurídica, o passo seguinte é formalizar o negócio. É recomendado procurar o apoio de um contador para simplificar os processos e não descuidar de nenhuma das etapas. Esse profissional auxiliará nos trâmites burocráticos nas seguintes esferas:

  • Junta Comercial;
  • Receita Federal;
  • Secretaria Estadual da Fazenda;
  • Prefeitura Municipal;
  • Previdência Social.

Licenças

A atividade de bares e restaurantes é regida por diversas normas e leis criadas especificamente para esses empreendimentos. Muitas delas são desenvolvidas em âmbito municipal, o que faz com que cada cidade tenha as suas regras específicas.

Assim, é importante investigar os códigos de postura e de zoneamento do local em que você deseja estabelece o seu bar. A administração municipal também é responsável pelos seguintes regramentos:

  • Estacionamento;
  • Liberação para colocação de mesas nas calçadas;
  • Níveis de ruídos;
  • Práticas de higiene.

Legislação

Conheça as principais leis/resoluções que regulamentam o setor de bares e restaurantes:

  • Lei da Gorjeta (Nº 13.419/17) — normatiza a distribuição da cobrança adicional em bares e restaurantes entre os funcionários;
  • Lei de Direitos Autorais (Nº 9.610/98) — regula a execução de músicas no ambiente. O Ecad é o órgão governamental responsável pela arrecadação dos direitos;
  • Lei Antifumo (Nº 9.294/96) — restringe o uso de fumo e similares em ambientes fechados.
  • Boas Práticas para Serviços de Alimentação (RDC Nº 216/04) — reúne procedimentos para controle de pragas, manejo do lixo e higienização de diversos itens.

Marca registrada

A marca pode se tornar o patrimônio mais importante de um empreendimento. Ela é formada pelo conjunto de símbolos que permite que o público diferencie um estabelecimento dos demais.

Logomarca, slogan, jingle e mascote são alguns dos exemplos desses elementos que compõem uma marca. Ao vê-los, o cliente os associa imediatamente ao estabelecimento correspondente. Por essa razão, uma marca forte e reconhecida tem um valor maior do que bens patrimoniais, por exemplo.

Dessa forma, efetuar o registro da marca é a melhor maneira de protegê-la contra a ação de pessoas mal-intencionadas. No Brasil, o órgão responsável por isso é o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Apesar do custo envolvido nesse procedimento, o valor deve ser encarado como uma medida de segurança para o crescimento do negócio.

Qual é o investimento necessário para abrir seu bar?

Como você pôde ver ao longo deste post, abrir um bar pode variar conforme o tamanho, o formato e o perfil do público que será atendido. Essas questões devem ser respondidas na etapa de planejamento estratégico e influenciarão diretamente o investimento necessário para abrir o estabelecimento.

A composição de custos iniciais deverá levar em conta a compra dos equipamentos de cozinha e do mobiliário, a divulgação do empreendimento, o estoque inicial e as despesas fixas, como aluguel do imóvel e salário dos funcionários. Caso você opte por abrir uma franquia, ainda terá que arcar com as taxas da franqueadora.

De maneira geral, um bar pequeno, que empregue cerca de cinco funcionários, poderá exigir o seguinte investimento:

  • Equipamentos de cozinha: entre R$ 20 mil e R$ 25 mil;
  • Móveis: de R$ 10 mil a R$ 15 mil;
  • Salários: R$ 16 mil (considerando os impostos);
  • Capital de giro: R$ 10 mil;
  • Estoque inicial: R$ 2 mil;
  • Aluguel: entre R$ 5 e R$ 10 mil.

Essa lista, claro, é apenas uma estimativa. Você pode barganhar preços com fornecedores ou encontrar facilidades para baratear alguns produtos. O mercado avalia que o investimento para a abertura de um bar de pequeno porte varia entre R$ 40 mil e R$ 60 mil.

Montar um bar, portanto, exige do empreendedor muita dedicação. É preciso reservar tempo para a elaboração do planejamento estratégico, a fim de definir o público-alvo, o estilo e a localização do empreendimento. Em seguida, é necessário formalizar a estrutura jurídica do negócio para então iniciar os investimentos em infraestrutura, equipamentos e móveis.

Ter uma boa equipe de funcionários é a alma do negócio. Bons garçons e cozinheiros são elementos importantes para a fidelização dos clientes. Por essa razão, é fundamental desenvolver um processo seletivo que identifique profissionais com boa formação e que gostem de lidar com o público.

Pronto para abrir o seu bar? Se você achou o conteúdo deste post útil para você, assine a nossa newsletter e passe a receber as atualizações do blog no seu e-mail!

Até a próxima!

Conheça as ofertas Oi pra Empresas e e surpreenda-se!

TV HD

TV HD

Barzinho + futebol? Conheça nossa grade de canais e invista em diferenciais pro seu negócio!

Leia Também