Posso abrir um negócio e manter meu emprego?

Ler depois

Posso abrir um negócio e manter meu emprego?

Ler depois

“Abrir meu próprio negócio ou ter um emprego fixo?” Essa é a pergunta que não quer calar e que já deve ter sido feita por praticamente todos os empreendedores. De fato todos precisam de um ganha-pão, mas até onde o desejo de empreender pode – ou mesmo deve ser sacrificado – por um salário fixo?

De acordo com um estudo da MindMiners, em parceria com o PayPal, 66% dos brasileiros querem abrir um negócio próprio. São muitos os motivos para tanta gente sonhar com um empreendimento para chamar de seu. Mais da metade dos entrevistados entendem que ter um negócio representa a possibilidade de mais liberdade.

No entanto, uma outra pesquisa, do Sebrae, alerta para as altas taxas de empreendedorismo motivado por necessidade. Nesse caso, as chances da empresa sucumbir em função da falta de preparo de seu idealizador são grandes.

Por outro lado, essa mesma pesquisa aponta para o crescimento do empreendedorismo motivado pela oportunidade. É o caso, por exemplo, dos novos empresários que conciliam um emprego com um negócio próprio ou dos que planejam começar enquanto mantêm um emprego fixo. Se você se identifica com essa categoria, continue a leitura, pois este artigo foi feito pra você.

Antes de abrir um negócio: avalie seu tempo

Está pensando na hipótese de trabalhar de forma autônoma enquanto mantém um emprego fixo ou já faz isso? Independentemente de estar ou não empregado, tenha em vista que o fator decisivo para ter sucesso em ambas as frentes é a gestão do tempo.

A atenção a esse aspecto fundamental se relaciona com a qualidade dos serviços que você presta ou das mercadorias que vende. Quanto menos disciplinado estiver em relação à divisão do tempo para realização das tarefas, maiores as chances de se dar mal, tanto no emprego como na sua atividade autônoma.

Descubra se você é de fato um empreendedor

As características comuns às pessoas que criam e mantêm empresas de sucesso poderiam render uma lista quilométrica. No entanto, algumas delas são essenciais. Você precisará ser honesto consigo mesmo, fazer uma avaliação criteriosa e concluir se empreender é mesmo o que deseja. Faça a si mesmo as seguintes perguntas:

Tenho coragem para lidar com riscos?

Sim, a vida de quem toca uma empresa é a constante exposição ao risco. Não se trata de entrar no Globo da Morte diariamente, mas todo negócio, por mais que seja orientado por um planejamento estratégico, em algum momento estará diante de ameaças externas.

Não há nada de errado em não querer assumir riscos na vida. Se esse é o seu perfil, então é bem provável que levar um negócio à frente não seja para você, pelo menos não agora.

Gosto do que faço ou é só por necessidade?

Assim como a aversão ao risco não é um problema em si, empreender por necessidade também não representa um empecilho. Contudo, como vimos no início, ao abrir um negócio movido exclusivamente pela necessidade, as chances de tropeços aumentam consideravelmente.

Em todo caso, empresas gerenciadas por pessoas que realmente se identificam com o que vendem ou fazem têm muito mais chances de superar crises. Pense, afinal, se para você o mais importante é sobreviver, certamente sua motivação diante dos problemas poderá diminuir bastante.

Meu negócio é viável ou existe uma oportunidade?

Há também empreendedores que são movidos exclusivamente pelas suas ideias. No papel, ou na tela do computador, uma empresa pode parecer perfeita, mas a realidade pode ser muito diferente.

Aqui vai uma dica: para saber se sua empresa tem chance de dar certo, procure orientação no Sebrae para fazer um esboço de seu negócio.

Para quem já tem um emprego e um negócio: organize-se

Se o empreendedorismo por necessidade surge em função do desemprego e da falta de oportunidades, negócios que começam enquanto seus donos mantêm empregos se caracterizam de outra forma.

O que geralmente acontece nesse caso é que o empresário em potencial passa a fazer captação de seus próprios clientes, graças à experiência e conhecimentos adquiridos nas empresas por onde passou. Esse é um quadro bastante comum, por exemplo, nos segmentos da saúde e marketing, e entre profissionais liberais de um modo geral.

O que vale para quem já empreende e está empregado é aprimorar cada vez mais a organização. Vale também ser ético: utilizar a infraestrutura do emprego para atender os próprios clientes não é correto. Se não há como atender bem fora do horário de trabalho, talvez seja hora de repensar se vale a pena conciliar as duas atividades.

Ideias para quem quer empreender

Estando ou não empregado, pode ser que você esteja em busca de ideias que possam incrementar seus rendimentos. Destacamos algumas:

Aulas particulares

Transmitir o que sabemos pode ser uma boa forma para começar um negócio próprio. Se você sabe algum idioma, toca instrumentos ou tem bom conhecimento sobre alguma disciplina escolar, por que não aproveitar e empreender a partir do que já sabe?

No site GetNinjas, por exemplo, é possível oferecer seus serviços e encontrar pessoas próximas a procura deles.

Aproveite sua expertise e ofereça seus serviços

Se você possui algum conhecimento técnico específico, seja na área de saúde, tecnologia, marketing, contabilidade ou arquitetura, por exemplo, que tal oferecer seus serviços como autônomo? Muitos profissionais que trabalham em empresas começam assim.

Crie um site simples, um cartão de visitas e divulgue seus serviços, seja como fisioterapeuta, desenvolvedor, arquiteto, consultor de marketing, etc. Enfim, se você gosta do que faz, do ramo que escolheu e acredita que pode começar a lucrar por conta próprio, pode ser um bom começo para lucrar mais e empreender.

Observe o desenvolvimento de seu negócio e não deixe que ele impacte seu dia a dia na empresa. Caso seu empreendimento dê certo, um dia você pode passar a se dedicar exclusivamente a ele. E não se esqueça de manter um networking sadio com seu empregador e colegas de trabalho.

Lembre-se apenas de sempre manter a ética e não competir com seu próprio empregador ou mesmo divulgar ou se aproveitar de informações sigilosas.

Passeador de cães

Se você gosta de cães e animais domésticos em geral pode pegar esse embalo e começar um negócio com uma infraestrutura mínima. Um bom exemplo é o serviço de passeador de cães, que não exige instalações físicas e pode ser gerenciado a partir de casa.

Comece nos finais de semana, após seu horário de trabalho e observe o desenvolvimento do negócio.

Artesanato e trabalhos manuais

O artesanato é uma das áreas mais promissoras para empreender, pelas facilidade de divulgação na internet. As possibilidades são realmente muito boas, desde que haja comprometimento e um bom trabalho de marketing, utilizando as redes sociais como Facebook e Instagram, além de canais voltados exclusivamente para esse perfil, como o Elo 7.

Se você tem algum dom e gosta de praticá-lo em seu tempo livre, que tal começar a lucrar com ele no seu tempo livre? Esse pode ser o começo da sua própria marca.

Deu para perceber que existem muitas possibilidades, certo? O principal é que, ao abrir um negócio enquanto tem um emprego fixo, você esteja pronto para lidar com os desafios de ser empresário e ainda tenha jogo de cintura para gerenciar seu dia a dia no seu trabalho sem prejudicá-lo.

A vida do empreendedor é ter hora para começar, mas não para terminar. A recompensa chega, mas só para os que se dedicam de verdade!

Além das sugestões que você já viu nesse artigo, confira mais 7 pequenos negócios lucrativos que podem incrementar sua renda mensal e não se esqueça de preencher o formulário abaixo para ficar por dentro das novidades o Oi Conexus. É grátis!

Leia Também